<29 de abr de 2008

Enquanto isso na terra do Planalto central



O Presidente do Supremo Tribunal Federal decidiu ontem a noite arquivar dois processos de improbidade administrativa. Em ambos os casos os réus eram ministro presindenciais, ou seja, ministros de Estado e segundo o Ministro a lei de improbidade administrativa são aplicáveis somente para quem possui mandato, cargo, emprego ou função na administração pública direta, indireta ou fundacional. E como Minstros de Estado são agentes publicos só responderiam por crime de responsabilidade.
Neste caso ainda o Ministro Gilmar Mendes considerou abusivo o valor que deveria ser ressarcido ao erário.

O que são agentes publicos

Não há uma descrição legal do que seria agentes publicos, ou seja, não existe nenhuma lei que defina o que seria agente publico. Mas doutrinariamente agente publico é toda pessoa física incumbida do exercício de uma função publica, transitória ou definitivamente, com ou sem remuneração, do exercício de uma função publica.
Dentro desta especie agente público encontram-se os agente politicos. Que doutrinariamente estão incluidos os minitros de Estado (minitros presidenciais).
O STF já entendeu que Juiz é agente político, sendo também adminissivel que os mebros do Ministério Público sejam consideradoscomo agente políticos, em razão da função de controle a ele atribuidas pelo artigo 129 da Constituição Federal.


IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA
Improbidade administrativa é a consequencia da não observância da violação ao princípio da moralidade. Que esta expresso no artigo 37 da Consituição Federal. Afinal moralidade além de ser um princípio legal, também é um princípio ético.
Fazendo um resumo bem geral os acusados de crime de improbidade administrativa são julgados por juizes togados. Já os crimes de responsabilidade são julgados pela Camara dos Depoutados e pelo Senado Federal, conforme a lei 1079/50.
A desobediência desta lei de improbidade administrativa traz como consequência desde a perda do mandato por alguns anos além do ressarcimento ao erário no valor do dano causado, ou seja, a devolução do dinheiro aos cofre publicos. Nada mais justo. Já a do crime de responsabilidade a consequencia é a perda da função além de ser decretado o prazo de inabilitação do condenado para o exercício de qualquer função pública. Mas não prevê o ressarcimento do dano.
Mas os processos foram arquivados e a unica coisa que restou disso foi um parecer de um Ministo do Supremo que diz que agente publicos não respondem por crime de impronidade e o caso concreto do julgamento fora arquivado. Não sobrando nenhuma sanção a nenhum deles. Nem ressarcimento ao erário, nem afastamento da politica. Qual mensagem nosso Ministro quiz passar?
Abaixo o texto com o link na íntegra.!!!



Notícias STF
segunda-feira - 28 de abril de 2008
Presidente do STF arquiva ações contra ex-ministros do governo FHC relativas ao Proer
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, determinou o arquivamento de duas ações de reparação de danos por improbidade administrativa ajuizadas pelo Ministério Público Federal (MPF) na 20ª e na 22ª Varas Federais do Distrito Federal contra os ex-ministros da Fazenda Pedro Malan; do Planejamento, Orçamento e Gestão José Serra e da Casa Civil Pedro Parente, além de ex-presidentes e diretores do Banco Central.
As duas ações questionavam assistência financeira no valor de R$ 2,975 bilhões pelo Banco Central ao Banco Econômico S.A., em dezembro de 1994, assim como outros atos decorrentes da criação, pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), do Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional (Proer).
A decisão foi tomada por Gilmar Mendes no último dia 22, na Reclamação (RCL) 2186, em que os ex-ministros do governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso apontavam a usurpação da competência do STF pelos dois juízos federais em Brasília. A defesa se fundamentou no artigo 102, inciso I, letra C, da Constituição Federal (CF), segundo o qual cabe ao STF processar e julgar, originariamente, os ministros de Estado, “nas infrações penais comuns e nos crimes de responsabilidade”. Invocou, nesse sentido, decisão liminar proferida pelo ministro Nelson Jobim (aposentado), nos autos da RCL 2138.
Ações
A primeira ação, ajuizada na 22ª Vara Federal de Brasília sob o nº 95.00.20884-9, ainda não havia sido julgada. Postulava a condenação dos ex-ministros ao ressarcimento, ao erário, das verbas alocadas para pagamento de correntistas de bancos que sofreram intervenção na gestão deles (Econômico e Bamerindus), bem como à perda dos direitos políticos.
Na segunda ação, protocolada sob o nº 96.00.01079-0 – que envolvia, além de Malan e Serra, Pedro Parente, relativamente a período em que foi ministro interino da Fazenda, assim como os ex-presidentes do Banco Central (BC) Gustavo Loyola, Francisco Lopes e Gustavo Franco, e ex-diretores do BC –, o juiz julgou o pedido do MPF parcialmente procedente.
Condenou os ex-ministros a devolverem ao erário “verbas alocadas para o pagamento dos correntistas dos bancos sob intervenção”, porém não acolheu o pedido de perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, bem como de pagamento de multa civil e de proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente”. O juiz alegou que não fora provado “que os réus, por estes atos, acresceram os valores atacados, ou parte deles, a seus patrimônios”.
Ao determinar o arquivamento dos dois processos, o ministro Gilmar Mendes observou que, conforme decisão tomada pelo STF no julgamento da Reclamação 2138, invocada pela defesa, o STF deixou claro que os atos de improbidade descritos na Lei 8.429/1992 (dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo, emprego ou função na administração pública direta, indireta ou fundacional) “constituem autênticos crimes de responsabilidade", contendo, "além de forte conteúdo penal, a feição de autêntico mecanismo de responsabilização política”.
Entretanto, segundo Gilmar Mendes, em se tratando de ministros de Estado, “é necessário enfatizar que os efeitos de tais sanções em muito ultrapassam o interesse individual dos ministros envolvidos”. Nesse sentido, ele chamou atenção para o valor da condenação imposta aos ex-ministros e ex-dirigentes do BC pelo juiz da 20ª Vara Federal do DF, de quase R$ 3 bilhões, salientando que este valor, “dividido entre os 10 réus, faz presumir condenação individual de quase R$ 300 milhões”. Segundo ele, “estes dados, por si mesmos, demonstram o absurdo do que se está a discutir”. Ele observou, ainda, que esses valores “são tão estratosféricos” que, na sentença condenatória, os honorários advocatícios foram arbitrados em mais de R$ 200 milhões, sendo reduzidos pela metade, ou seja, quantia em torno de R$ 100 milhões.
Portanto, conforme o ministro Gilmar Mendes, os ministros de estado não se sujeitam à disciplina de responsabilização de que trata a Lei 8.429/1992, mas sim à da Lei 1.079/50, que define os crimes de responsabilidade e regula o respectivo processo de julgamento. E este julgamento, em grau originário, é de exclusiva competência do STF. Assim, à época em que os reclamantes eram ministros de estado, não se sujeitavam à Lei 8.429/1992, pela qual foram processados e condenados.
http://www.stf.gov.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=87877


imagens

Marcadores: , ,

4 Comments:

Blogger Renato Bueloni Ferreira said...

Vou discordar de vc, Fabiola. O Proer foi um programa que salvou a economia brasileira de uma grave e profunda recessão, o que nunca foi compreendido pelo MPF.
Acho interessante notar como o MPF atuava com zelo e intensidade no governo FHC e agora fica quietinho diante dos desmandos e falcatruas do atual governo. Onde está aquele Promotor Francisco sei lá o quê?
Onde está o MP para processar Palocci - no caso do caseiro, onde houve crime - ou Dilma Roussef - no caso de vazamento de informações?
Onde está o MPF para impugnar a fusão OI e Brasil Telecom, o que viola a legislação de telecomunicações no Brasil e acaba com a concorrência?

bj

11:28 AM  
Blogger Fabiola said...

Renato:

O que adianta processar se eles vao acabar arquivados. Para mim é exatamente o ponto.
O recado que ficou para mim é: podem processar a vontade, pq aqui no STF o julgamento
não é tecnico, é politico, nem que para isso contrariem a lei. A quem eles prestam serviços?.!!!

A omissão do MPF não pode não deve ser justificativa para outro problema.O motivo do arquivamento do Gilmar mendes é bem outro. Na realidade ao dar seu parecer dizendo que ministro do Estado, tanto qto juiz e MP são agente politicos e não podem ser processados pela
lei de improbidade é pq ele esta fazendo jurisprudencia própria, para ele mesmo.
Amanha ou de´pois se acusarem ele ou Jobim por improbidade eles não irão responder. Só respondem
por crime de responsabilidade que o é julgamento politico.

Vc tomou as dores do partido. Qual o partido do Malam? acho que ele nem é candidato a nada.
E se supostamente ele roubou ele tem que devolver sim ao erário. Para uma pessoa como ele
que acho que acho que nunca se candidatou, o que adianta perder o direito de se candidatar? nada a sanção é um nada.
Eles vao acabar com a lei de improbidade, e quem perde?

Bjocas
Fabiola

2:11 PM  
Blogger Rezú said...

ai ai ai...
quanta vergonha, não?

3:06 PM  
Anonymous Anônimo said...

Howdy! This is my first visit to your blog! We are a
team of volunteers and starting a new initiative in a community in the same niche.
Your blog provided us valuable information to work on. You have
done a wonderful job!

Here is my page - xerox 8560 ink

2:47 AM  

Postar um comentário

<< Home